ÁREA DO ASSOCIADO

  • Conectar-se
  • 5º ENA, EVENTO QUE DEBATE O FUTURO DO SANEAMENTO NO BRASIL

    30/07/2014

    Preocupações com a segurança da água, poluição ambiental, crise na saúde pública E ineficiência na gestão dos serviços públicos de saneamento. Nota-se que nunca o saneamento brasileiro enfrentou tantos desafios.

    Por outro lado, a implantação do Plano Nacional de Saneamento, Plansab,expôs uma grande dificuldade do mercado, que é a falta de bons projetos para o saneamento. A iniciativa privada pode contribuir bastante nessa área. É neste cenário de intensa busca por soluções que acontece de 13 a 15 de agosto o 5º Encontro Nacional das Águas em São Paulo.

    O encontro é promovido pelo SINDCON, com apoio da ABCON (Associação Brasileira das Concessionárias Privadas de Água e Esgoto).

    Convidado para a abertura, o economista Eduardo Gianetti trará sua visão sobre o saneamento no Brasil, que para ele “padece de planejamento e regulação  adequada, e de clareza na atribuição de responsabilidades”.

    O presidente do SINDCON, Giuliano Dragone, assinala que o 5º ENA contará com autoridades dos ministérios das Cidades e do Planejamento, palestrantes e debatedores convidados, inclusive do exterior, para discutir o saneamento nas áreas de tecnologia, operação, gestão, regulação, controle social e comunicação.

    “O saneamento é o setor da infraestrutura que menos avançou nos últimos anos, mas temos motivos para crer que teremos avanços significativos a partir deste ano, com a publicação do Plano Nacional de Saneamento Básico (Plansab), que definiu metas para as próximas duas décadas e, principalmente, com um cenário de cooperação entre o público e o privado, que se desenha diante das necessidades de investimentos que o país demanda para atingir a universalização dos serviços de água e esgoto”, comenta Paulo Roberto de Oliveira, presidente do conselho diretor da ABCON.

    Outros palestrantes

    Sérgio Soares, Superintendente da ANA (Agência Nacional de Águas) apresentará a dura realidade da segurança hídrica no Brasil e números inéditos do Atlas que a agência prepara para 2015, documento em que serão mapeados os principais riscos aos mananciais do país em virtude do não-tratamento do esgoto no país. Hoje, o Brasil tem apenas 56,1% de coleta de esgoto em regiões urbanas, a média do esgoto tratado é ainda menor 38,7%.

    Monica Porto, doutora e professora titular do departamento de Engenharia Hidráulica e Sanitária da Escola Politécnica da USP, fala sobre como contornar outro risco de apagão, o da água. Apesar da complexidade, o planejamento e uso da água em grandes escalas tornou-se tema corrente tanto entre os grandes consumidores (usinas hidrelétricas, por exemplo) quanto entre a população em geral, que teme por mais um verão sem água nas torneiras.

    O holandês Thomas Van Waeyenberge, da Aquafed (Federação dos Operadores Privados de Saneamento), virá ao 5º ENA para apresentar experiências bem-sucedidas de cooperação entre a iniciativa privada e o setor público  em outros países.

    Mathias Krause, economista do BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento), é outro convidado estrangeiro. Ele falará sobre a importância do monitoramento dos indicadores de desempenho de serviços de saneamento.

    Mesas temáticas – o aproveitamento energético do lodo do esgoto, o reuso da água e as possibilidades da dessalinização são alguns dos temas apresentados entre os painéis de tecnologia.

    Na área jurídica, a lei anticorrupção e o compliance, o perigo do uso político na regulação do setor e os mecanismos de participação social nos serviços de saneamento estão entre as questões que serão apresentadas e debatidas.

    No sentido de intercambiar experiências, o evento contará com inúmeros “cases de sucesso” apresentados pelas concessionárias.

     

    As entidades do setor ABES (Associação Brasileira de Engenharia Sanitária), AESBE (Associação das Empresas de Saneamento Básico Estaduais), JPS (Jovens Profissionais de Saneamento) e ABIMAQ/SINDESAN (Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos) firmaram parceria com o SINDCON e ABCON nesta edição do ENA, aberto para participação dos profissionais e dirigentes dos operadores públicos.

    Prêmio – durante o 5º ENA, acontecerá o lançamento do 1º Prêmio Sustentabilidade, promovido pelo SINDCON para divulgar as melhores iniciativas das empresas privadas no saneamento.

    Compartilhe: