ÁREA DO ASSOCIADO

  • Login
  • Edição 13

    ANO V - DEZ/2018 A MAR/2019

    /

    Mulheres

    Do Brasil… e pelo Brasil

    em 18 de Dezembro de 2018

    Ana Lia de Castro, diretora executiva da Abcon e Sindcon

    Formado há cinco anos, grupo idealizado para reunir e engajar o público feminino em prol do avanço do país e da valorização da mulher já possui mais de 30 mil participantes

    Se você ainda não ouviu falar delas, ainda vai ouvir. Idealizado há cinco anos, o grupo Mulheres do Brasil já não é mais um projeto, mas sim uma sociedade jurídica, com propósitos definidos. Hoje concentra mais de 30 mil mulheres afiliadas.

    Segundo a diretora executiva da ABCON/SINDCON, Ana Lia de Castro, o Grupo Mulheres do Brasil tem como missão atuar para um Brasil melhor e mais justo. É com-posto por integrantes de vários segmentos, raças, idades, profissões e escolaridade, que se reúnem para discutir, propor e colocar em prática ações em temas ligados a projetos sociais, sempre que esses envolvam a defesa e valorização da mulher brasileira.

    Ana Lia afirma que a ideia do grupo não é “reinventar a roda”, mas sim participar ativamente de projetos já exis-tentes, sem se aliar a partidos políticos. O suprapartidarismo é, inclusive, um dos valores inegociáveis do GMB, bem como a busca do bem comum.

    Para as mulheres que desejam se associar, o processo é bem simples. Basta entrar no site www.grupomulheresdobrasil.com.br e se registrar. A partir daí a interessa-da recebe um convite para participar do próximo evento de divulgação e integração. Posteriormente, nos eventos “Portas Abertas”, conhecerá o trabalho dos Comitês e poderá escolher de que forma se engajará nos projetos.

    Atualmente, são mais de 15 comitês atuantes, entre eles: Combate à Violência Contra a Mulher, Cultura, Edu-cação, Empreendedorismo, Igualdade Racial, Políticas Públicas, Inserção de Refugiados, Saúde, Comunidades, 80 em 8, Pessoas Deficientes, Vozes e até um Comitê de Meninas do Brasil.

    Para a diretora executiva da ABCON, o que mais lhe atraiu no GMB foi o caráter voluntário e apartidário da iniciativa, fundada e liderada pela empresária Luiza Trajano. “Atuo hoje nos comitês ligados às áreas em que tenho vivência e experiência, e acima de tudo naquilo que acredito. O saneamento básico, com certeza, é uma dessas vertentes”, completa Ana Lia.

    Compartilhe:
    Translate »