ÁREA DO ASSOCIADO

  • Login
  • Edição 16

    ANO VI - JAN 2020

    /

    Saúde

    Ganhos com mais saneamento na saúde pública são maiores do que imaginamos

    em 17 de Fevereiro de 2020

    Segundo a OMS, na América Latina, a cada dólar investido, se alcança US$ 7,3 em benefícios à saúde; internações no Brasil são comparáveis às do Haiti

    A relação entre o investimento em saneamento básico e impactos positivos na saúde é mundialmente reconhecida e sempre lembrada como um dos fatores mais importantes entre os que justificam um maior investimento no setor. O que escapa, porém, inclusive para muitos que já acompanham a triste realidade do Brasil, é que esses ganhos em saúde pública são maiores do que imaginamos.

    De acordo com os dados da Opas/OMS (Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde), apresentados recentemente durante o último World Toilet Summit, em São Paulo, a cada dólar investido no setor para a América Latina se alcança uma economia de US$ 7,3 na saúde. O número anteriormente considerado para avaliar essa relação era o de 1 para 4, ou seja, a cada dólar investido, teríamos US$ 4 em benefícios econômicos ligados à saúde pública.

    Representante da Opas/OMS no Brasil, Priscila Campos Bueno conta que o país é, ao lado de México, Haiti e Guatemala, um dos que mais registram internações ligadas ao saneamento. “A América Latina e o Caribe ainda têm muito o que evoluir”, afirmou ela, durante o WTS.

    Segundo Priscila, na média, a região trata no máximo 30% de todos os seus efluentes. A situação se agrava entre as populações mais necessitadas. Ainda hoje, 4% da população urbana não possui uma instalação adequada de saneamento. No total, são 15,5 milhões de pessoas sem banheiro e sujeitas a doenças provocadas pela evacuação ao ar livre.

    Para o médico Anthony Wong, embaixador do Instituto Trata Brasil, essa situação precisa ser modificada a partir da mobilização da sociedade. “Devemos nos unir e cobrar de nossos governantes um olhar mais atento para o setor. Investimentos prioritários na coleta e tratamento de esgoto devem ser feitos para garantir qualidade de vida à nossa população e, principalmente, às nossas futuras gerações”, defende ele.

    Compartilhe: