ÁREA DO ASSOCIADO

  • Conectar-se
  • Edição 06

    ANO III - AGO A NOV/2016

    /

    Editorial

    Renovar é preciso

    em 11 de Agosto de 2016

    ALEXANDRE LOPES
    Presidente do SINDCON

    As mudanças que se apresentam no cenário político e econômico do Brasil nos obrigam a tomar decisões e rever nossas metas, para atingirmos os objetivos de nossas organizações, sejam elas empresas ou associações de caráter público ou privado.

    Há quatro anos, o SINDCON e a ABCON consolidaram um processo conjunto e passaram a atuar de acordo com um planejamento estratégico unificado, para o qual foram considerados os entraves e os mitos que cercam a atividade da iniciativa privada. Consequentemente, dessas ponderações surgiram as ações que deveriam nortear o procedimento das entidades.

    A partir desse planejamento, algo inédito na história das entidades, o SINDCON realizou muitas conquistas. Não foram poucas as realizações nesses últimos anos: consolidamos o ENA – Encontro Nacional das Águas, lançamos o Prêmio Sustentabilidade, formamos comitês temáticos que proporcionaram o compartilhamento de informações entre os associados e apoiaram a direção na tomada de decisões; inserimos o Sindicato em importantes fóruns relacionados à agua e ao esgotamento sanitário, junto a órgãos públicos e privados; realizamos encontros, promovemos qualificação profissional, construímos novos canais de comunicação e criamos indicadores próprios para referenciar nossa atividade.

    A despeito de todas essas iniciativas, se passaram quatro anos. É chegada a hora de retomarmos a discussão em torno de nossos objetivos. Portanto, ainda neste 2016, o SINDCON e a ABCON recomeçam os trabalhos para o nosso próximo planejamento estratégico, referente ao quadriênio 2017 -2020.

    Algumas questões de fundamental importância surgem nesse momento: Em que patamar se encontra a iniciativa privada que atua no setor? Avançamos em quais quesitos? Onde estão os obstáculos ainda a serem superados? Qual é a percepção que os outros atores do saneamento possuem de nossa atuação?

    Tudo isso nos perguntamos hoje, quando o cenário indica que finalmente o saneamento será admitido como prioridade em nossa agenda política e econômica.

    O Planejamento Estratégico também serve como norte para a ação de suas empresas afiliadas, no sentido de salvaguardar a participação de todos, de forma competitiva e saudável.

    Assim, estamos todos envolvidos na construção desse novo Planejamento. A participação de associados, colaboradores e equipe das duas entidades será fundamental para aprofundarmos essas questões que se apresentam e merecem nossa atenção.

    Somente assim seguiremos acertando e contribuindo, de maneira efetiva, para o desenvolvimento do saneamento no país.

    Compartilhe: