Ranking mundial, reconhecido por investidores, avalia exposição e gerenciamento dos riscos ESG das companhias

As concessionárias de saneamento precisam atuar fortemente para garantir a sustentabilidade dos negócios, que dependem da água como insumo básico. Com concessões válidas por décadas e que exigem grandes investimentos, a agenda ESG destas empresas é prioritária tanto para meio ambiente quanto para o mercado financeiro.

Neste cenário, a BRK, uma das maiores empresas de saneamento no país, operando em mais de 100 municípios, se posiciona como a companhia número 1 das Américas no ranking ESG Risk Rating, da Sustainalytics, que acaba de ser divulgado. O rating, valorizado por investidores e reconhecido globalmente, mede a exposição e o gerenciamento dos riscos ESG da companhia.

A nota da BRK é 19,1, representando risco baixo, o que também a posiciona em 4º lugar no mundo na categoria saneamento. Em Governança Corporativa, a companhia é líder mundial.

“Iniciamos a estruturação da nossa agenda ESG há cinco anos, focados em avançar nas dimensões sociais, ambientais e de governança. O nosso core business é a água e, para que a operação de saneamento seja sustentável e eficiente, devemos investir em iniciativas que garantam o uso responsável deste recurso natural”, explica Teresa Vernaglia, CEO da BRK Ambiental. “Este resultado reflete nosso comprometimento com o propósito de levar saneamento para muito além do básico a todos os nossos clientes”, complementa Teresa.

O ESG Risk Rating avaliou dez aspectos ambientais, sociais e de governança da BRK relacionados a emissões, efluentes, resíduos, relações com a comunidade, uso da terra e biodiversidade, capital humano e governança. Dentre os destaques da concessionária, está a meta de zerar as emissões de gases causadores do efeito estufa até 2040, dez anos antes do prazo definido pela ONU, e reduzir as perdas de água em 25% até 2030 – atualmente, este índice é de 35% considerando as operações da companhia em todo o país.