O tratamento de esgoto é uma medida de saneamento básico essencial para a garantia da saúde e da qualidade de vida da população. Por meio deste serviço são afastados os riscos de contaminações por doenças relacionadas ao saneamento ambiental (DRSAI) e preservados os rios e mananciais dos municípios. Em Limeira, o tratamento de esgoto é um serviço executado pela concessionária BRK, por meio da operação de uma estrutura que contempla três estações de tratamento (ETE Tatu, ETE Água da Serra e ETE Lopes), 20 unidades de bombeamento e mais de mil quilômetros de redes de coleta que transportam o esgoto dos imóveis até às unidades de tratamento.

Por dia, mais de 50 milhões de litros de esgoto são recebidos in natura nas estações da BRK em Limeira, tratados e devolvidos adequadamente aos rios do município. Há pouco mais de duas décadas, a cidade tratava apenas 2% de seu esgoto. E desde 2010, com o serviço universalizado – o que significa que todo (100%) o esgoto gerado nos imóveis da cidade recebe tratamento antes de retornar ao meio ambiente – o município se destaca numa condição bastante expressiva em relação ao comparativo nacional. Segundo dados do relatório “Atlas Esgotos: despoluição de bacias hidrográficas”, divulgado pela ANA (Agência Nacional de Águas) e pelo Ministério das Cidades, apenas 43% da população brasileira é atendida por sistema de esgotamento sanitário, com rede de coleta e estação de tratamento.

Com os serviços de esgoto já universalizados em Limeira, a BRK agora atua em sua modernização, adotando diversas tecnologias no processo. Entre elas, se destaca o sistema Nereda® de tratamento de esgoto. Um método inovador desenvolvido pela Universidade de Tecnologia de Delft, na Holanda, que já foi eleito o melhor avanço em tecnologia em saneamento da última década pela Global Water Inteligence, principal publicação mundial sobre saneamento.

Essa tecnologia é aplicada na Estação de Tratamento de Esgoto Tatu; a maior unidade operacional da cidade, com capacidade para tratar vazões médias de 660 litros de esgoto por segundo, e atender cerca de 77% do esgoto gerado no perímetro urbano.

A ETE Tatu foi construída na década de 1980 e, desde então, tem recebido diversos investimentos para ampliação e modernização. Recentemente, a BRK investiu R$ 120 milhões nas obras que implantaram a tecnologia holandesa na unidade de tratamento.

O sistema Nereda® entrou em operação no ano passado. Trata-se de um método de tratamento em nível terciário, com remoções de Nitrogênio e Fósforo, e que tende a ser mais sustentável e eficiente. Do ponto de vista construtivo, ocupa menos da metade da área necessária para infraestruturas tradicionais de tratamento de esgoto.

O gerente de operações da BRK, Rogério Lima, explica que as exigências ambientais, cada vez mais rigorosas, tem demandado processos de tratamento também cada vez mais complexos e eficazes. “Com a adoção dessa nova tecnologia em Limeira, demos um importante salto em inovação e qualidade do esgoto tratado. Todos os processos biológicos, que em outros sistemas ocorrem separadamente, neste método acontecem simultaneamente e, o mais importante, com atendimento a todas as eficiências legais de meio ambiente”, destaca.

O aprimoramento do sistema adotado na ETE Tatu elevou a eficiência do tratamento de esgoto. A média anual de remoção de matéria orgânica do efluente na estação saltou de 23%, em 2019, para 98% em 2021. Isso significa devolver um efluente mais limpo para os rios.

“Ao atingirmos essa eficiência percebemos uma expressiva melhora na qualidade da água do ribeirão Tatu. O oxigênio dissolvido, parâmetro utilizado para verificar a possibilidade de vida no manancial, hoje oferece ao curso d´água características de rio Classe II, que significa que suas águas oferecem condições para serem usadas em irrigação, para o desenvolvimento de vida aquática e do meio ambiente local”, explica Lima.

A ETE Água da Serra opera desde dezembro de 2010 com capacidade de atender a uma vazão média de 130 litros de esgoto por segundo. A unidade é equipada com níveis de tratamento primário e secundário, e desinfecção final, lançando o esgoto tratado no ribeirão Águas da Serra. Já a ETE Lopes, localizada na bacia do ribeirão Tatu, tem o tratamento por meio de lagoas de estabilização e capacidade de atender a uma vazão de 10 litros de esgoto por segundo.

Ao considerar a qualidade de todo o esgoto coletado e tratado em Limeira, nas três estações em operação – ETE Tatu, ETE Água da Serra e ETE Lopes, a atual eficiência média é de 97,3%, e se encontra superior ao estabelecido pela legislação.

“Esse resultado é fruto de um trabalho contínuo feito por uma equipe que se dedica a garantir a preservação dos recursos hídricos e a qualidade de vida da população”, destaca o gerente.