Nascido na Grande São Paulo, Ivo é um entre muitos exemplos de evolução pessoal e profissional graças à expansão do saneamento no país.

Ivo Curvelo começou a trabalhar com saneamento aos 19 anos. Nascido em Carapicuíba, região metropolitana de São Paulo, acabara de se mudar com a família de Maceió, Alagoas, onde passou a infância, para Ribeirão Preto. Era 2001. Ivo foi contratado pela empresa encarregada da montagem hidromecânica da Estação de Tratamento Ribeirão Preto, operada hoje pela GS Inima Ambient.

O ramo não era estranho para Ivo, afinal o pai dele era mecânico na Ambient desde 1998. Quando Ivo terminou o trabalho em Ribeirão, foi mandado até Brasília para montar outra ETE. Não gostou de ficar longe da família, pediu a conta e voltou.

Em 2004, foi contratado pela GS Inima Ambient como ajudante geral de operação. Enxergou futuro na carreira e investiu. “Fui me capacitando e subindo até me tornar encarregado de operação”, conta o profissional que fez curso técnico de mecânica e se graduou em engenharia de controle e automação. Já tinha família formada à época: Tatiana, a esposa, e Ana Clara, a filha, hoje com nove anos.

Depois de 15 anos de empresa, recebeu proposta para regressar a Maceió como coordenador de operação na Sanama – Saneamento Alta Maceió, do grupo GS Inima Brasil. Era uma oferta irrecusável, afinal Tatiana era da capital de Alagoas, onde o casal se conhecera na adolescência, e uma oportunidade para Ivo, filho de pais nordestinos, trabalhar na região onde cresceu. Hoje ele é coordenador de operação da Sanama, responsável pela implantação e operação da ETE Benedito Bentes, que vai atender 350 mil moradores da região. “Claro que fiquei com receio no início. A responsabilidade é maior, mas também é a chance de me desenvolver junto com a empresa, que está sempre crescendo e valoriza seus profissionais.”

Foi quando entendeu que o saneamento é o lugar em que queria estar. Quando os visitantes da Sanama perguntam se um dia vai ter peixe no poluído rio Salgadinho, Ivo garante que sim. “Digo que é possível e que empresas como a Sanama trabalham para isso.”