Acontecerá no dia 12 de junho, em São Paulo, o curso de capacitação “Desenvolvimento e Implementação de Planos de Segurança da Água” com especialistas portugueses.

A parceira para esse curso é a AGS – Administração e Gestão de Sistemas de Salubridade, que disponibilizará profissionais para conduzirem as atividades: José Miguel Maia e Paulo Faria de Oliveira, engenheiros com vasta experiência na Europa.

O curso, gratuito para associados SINDCON, está com as inscrições abertas até o preenchimento das vagas. Associados ABCON têm 50% de desconto.

Interessados podem conferir a programação completa e se inscrever pelo site.

O engenheiro Paulo Faria de Oliveira falou conosco sobre a importância dessa qualificação oferecida pelo SINDCON:

Revista Canal: O que é um Plano de Segurança da Água?

A forma mais eficaz de garantir sistematicamente a segurança de um sistema de abastecimento de água para consumo humano, consiste numa metodologia integrada de avaliação e gestão de riscos que englobe todas as etapas do abastecimento de água, desde a captação até o consumidor. Esta abordagem se chama Plano de Segurança da Água (PSA).
Os PSAs preconizam uma avaliação e gestão de risco ao longo de todo o sistema, permitindo a identificação antecipada dos problemas salvaguardando a saúde humana. Em 2004 a Organização Mundial de Saúde (OMS) recomendou que todas as entidades gestoras de sistemas de abastecimento de água deveriam desenvolver e implementar PSA de forma a avaliar os seus riscos e sequentemente disponibilizou um manual para o desenvolvimento do Plano.

Revista Canal: Por que Portugal tem tanta experiência nesse assunto?

Em Portugal, com a publicação Decreto-Lei n.º 194/2009 e mais recentemente, no âmbito do Decreto-Lei n.º 152/2017, as entidades gestoras são obrigadas a implementar um PSA com um plano de comunicação para situações de emergência relacionadas com a qualidade da água destinada ao consumo humano.

O desenvolvimento e implementação de um PSA é um trabalho exigente que requer tempo, compromisso e envolvimento de toda a organização. É importante que as organizações se conscientizem da necessidade de alocar os recursos de forma a assegurar o seu compromisso na salvaguarda da saúde pública e do serviço prestado.

A metodologia para estruturação, implantação e acompanhamento de Planos de Segurança da Água tem caráter internacional e pode ser aplicada em todas as Entidades Gestoras, independentemente do seu país de origem. Acredita-se, portanto, que a experiência da AGS em Portugal é interessante para os operadores brasileiros.

Revista Canal: Qual a experiência da AGS com PSA?

A AGS acompanhou a elaboração dos Planos de Segurança da Água em cinco concessionárias em que tem participação em Portugal, tendo adicionalmente elaborado tais planos para as seguintes entidades: Águas de Barcelos, Águas de Paços de Ferreira, Águas do Marco, Tavira Verde, SIMAR Loures e Odivelas. Desde outubro de 2018, está em curso a elaboração do PSA no município de Bragança.