Evento aconteceu nesta terça-feira, 26, durante todo o dia, no Expo Center Norte e com transmissão online e gratuita

Foi realizado nesta terça-feira, 26 de abril de 2022, a 2ª edição do Fórum de Saneamento e Recuperação Energética, chancelado pela IFAT, feira líder mundial em tecnologias ambientais. O evento aconteceu no Expo Center Norte, em São Paulo, e teve como intuito debater o desenvolvimento das ações referentes à implementação do Novo Marco Legal do Saneamento na prática, além de comentar os desafios da indústria, mostrar projetos em estudo e execução e elucidar sobre como a recuperação energética no país se encaixa nesse processo.

A solenidade de abertura contou com as presenças de Rolf Pickert – CEO da Messe Muenchen do Brasil; Rubens Aebi – Vice-Presidente da ABREN; Thomas Timm, Vice-Presidente da AHK São Paulo; Josivan Cardoso Moreno ABES Nacional; Percy Soares Neto – Diretor da ABCON SINDCON; Estela Testa – CEO da Pieralisi Américas e Presidente do SINDESAM da ABIMAQ; e Katharina Schlegel – Diretora de feiras de negócios da IFAT.

Rolf Pickert destacou que o Marco Legal do Saneamento é uma oportunidade para que operadores públicos possam se reinventar e trazer uma infraestrutura eficiente para o país bem como ressaltou a importância da retomada dos eventos. “De acordo com o plano nacional de saneamento básico será necessário investir R$ 753 bilhões até 2033 e isso tudo deve ser feito de forma mais sustentável e bem planejada com nítidos benefícios para o meio ambiente e saúde da população.

Os painéis realizados no período da manhã discutiram temas abrangentes, trazendo as consequências do marco regulatório do saneamento, as expectativas sobre os leilões esperados em 2022 e sobre como a indústria nacional de máquinas e equipamentos está preparada para atender aos projetos de saneamento.

Maurício Portugal, sócio do Portugal Ribeiro Advogados e Professor de Modelos Regulatórios da FGV-SP deu início ao primeiro painel como moderador e contextualizou o cenário trazido pelo decreto 10.710/2010 que prevê que as operadoras de saneamento básico comprovem sua capacidade econômico-financeira para universalização serviços. O assunto seguiu com as participações de Pedro Maranhão, Secretário Nacional de Saneamento do Ministério do Desenvolvimento Regional; Percy Soares Neto, Diretor Executivo da ABCON SINDCON; Marcus Macedo, gerente especialista em Infraestrutura e Power na Marsh Brasil; e Ceci Caprio, Consultora em Saneamento Ambiental na GO Associados. Na palestra foram levantadas as necessidades de regulação das operadoras ao passo que se não comprovadas suas capacidades econômico-financeiras, abre-se espaço aos municípios para a realização de leilões e participação da iniciativa privada.

Para Pedro Maranhão, o Marco Legal do Saneamento atraiu a iniciativa privada para investir na universalização, trazendo saneamento para todo país, contribuindo para sustentabilidade. “O Marco do Saneamento é o maior programa ambiental do mundo porque é um programa que vai tratar esgoto para mais de 100 milhões de pessoas, tratar água para 35 milhões de pessoas e vai zerar mais de 3 mil lixões a céu aberto. E isso está acontecendo por conta do Marco que trouxe regulação, previsibilidade e garantias para todo setor”.

O segundo painel seguiu conectado ao tema trazendo informações sobre o que esperar dos leilões de saneamento em 2022.  A moderadora Cíntia Araújo, Superintendente da Regulação Econômica na Agência Nacional de Águas (ANA), conduziu a conversa com os convidados: Fabio Abrahão, Diretor de Concessões e Privatizações do BNDES e Luana Siewert Pretto, CEO do Instituto Trata Brasil, que destacaram questões importantes como as estratégias de processamento de informações e ordenação de conhecimento (bottom-up e top-down). Os palestrantes deixaram evidente que a captação de investimentos privados é um importante fomento para o avanço do saneamento universalizado nas regiões com baixa capacidade econômico-financeira.

Segundo Luana Siewert Pretto, o Instituto Trata Brasil atua para que a população entenda a importância do Saneamento Básico e que sua ausência vai fazer com que isso afete a saúde do país o que acaba prejudicando o desenvolvimento, principalmente, de crianças. “A conscientização faz com que haja um movimento em prol do Saneamento Básico nos Municípios, Estados e no País. Nós temos um grande caminho pela frente e há uma necessidade maior de investimentos no Saneamento Básico”.

Na sequência Estela Testa, CEO da Pieralisi Américas, empresa patrocinadora do evento e Presidente do SINDESAM da ABIMAQ recebeu Glauco Montagna, diretor do SAM do Segmento Saneamento da Schneider Eletric e Vice-Presidente do SINDESAM da ABIMAQ; Wagner Setti, Relações Institucionais e Governamentais da WEG e Eduardo Pacheco, diretor técnico do Portal Tratamento de Água e do Portal Saneamento Básico. As informações discutidas no painel indicaram que a indústria nacional está preparada para atender a alta demanda esperada para os próximos anos, ainda com espaço para aumentar a capacidade de produção. Ficou evidente também que o consumo e o reaproveitamento de energia, assim como a automação dos processos e a interatividade (ioT) das máquinas e equipamentos são preocupações já presentes na indústria nacional. Outro ponto ressaltado foi a importância da qualificação da mão-de-obra.

Para quem não pode assistir ao vivo, todo conteúdo gravado estará disponível aos credenciados até o dia 22 de maio.

Sobre a Messe Muenchen do Brasil

A Messe München, organizadora da IFAT, é uma das maiores empresas de feiras de negócios do mundo e operadora dos principais centros de convenções e exposições de Munique na Alemanha. Há mais de 5 décadas conectando pessoas em todo o globo, o portfólio conta com mais de 200 eventos na Alemanha, China, Índia, Rússia, Turquia, África do Sul, Nigéria, Vietnã, Irã e Brasil, além de ter representação em aproximadamente 70 países.

Como parte da estratégia de expansão internacional, em 2017 foi fundada a subsidiária Messe Muenchen do Brasil com o propósito de trazer para o mercado nacional os níveis de excelência e inovação estabelecidos na sede da Alemanha e apoiar o desenvolvimento de feiras de negócios em uma direção especializada e internacionalizada.